Populações Locais, Agrobiodiversidade e Conhecimentos Tradicionais (PACTA II). Resumo

http://www.brasil.ird.fr/spip.php?page=article_programmes_regionaux&id_article=2248

Anúncios

Uma resposta to “Projetos”


  1. Olá, Professor Mauro Almeida, como vai?

    Acompanho sua muito interessante pesquisa sobre marxismo, antropologia, relatividade e relativismo. Parabenizo-o por ajudar a esclarecer questões mal formuladas que atrapalham a atividade científica e que só beneficiam “pós-modernistas” confusos e/ou oportunistas. Notadamente nas chamadas ciências sociais, o “pós-modernismo” é um problema importante (que se estendeu a outras “áreas” do conhecimento). Daí uma das relevâncias do seu trabalho. De minha parte faço algo semelhante há quase vinte anos, porém com finalidade política explícita.
    Formulei uma teoria unindo a marxiana (do valor- trabalho) a de Einstein (cuja postulação da relatividade espaço temporal tem como constante a velocidade luminar). Se o tempo (de trabalho) mede o valor dos produtos, o que mede o tempo é a (velocidade da) luz. O nexo luz (na natureza em geral)-tempo-trabalho(social)-valor é o “núcleo” da teoria paramarxiana que proponho para repensarmos o Socialismo-Comunismo.
    Proponho novo paradigma, incluindo o marxismo numa teoria maior. Postulei a luz (solar, relativa à fotossíntese pela biomassa) como parâmetro universal do tempo de trabalho (que a utiliza em computadores) a fim de gerar produtos ecologicamente sustentáveis, cuja renda deverá ser redistribuída por meio de (Plano da) democracia socialista.
    Um resumo da relação entre a teoria de Marx e a de Einstein com sua aplicabilidade ao projeto socialista pode ser visto no artigo anexo, especialmente entre as páginas 147-149, 155 e 157-158. Desde já, alerto que considerar a luz um invariante universal não significa que desta deduzo tudo. Não. Há mediações entre o físico, o químico, o biológico e o social cujas determinações estudamos pelas diferentes especialidades científicas. Entretanto, sigo Marx e Engels ao escreverem que existe apenas uma ciência: a História (pela práxis que, sendo social, não deixa de ser movimento na natureza). Eis minha principal premissa epistêmica para um Socialismo Humanista Ecológico.
    Busco uma possível colaboração entre nós, como socialistas. Poderíamos escrever juntos, organizar seminários/debates ou, ao menos, trocar artigos. O que pensa?

    Marcus Azaziel (Pós-Graduado em Sociologia e em Ciências Ambientais): marcusazaziel@hotmail.com


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: